Nova instrução do Vaticano sobre sepultura e cremação

MAIS NOTÍCIAS

A Congregação para a Doutrina da Fé divulgou ontem, 25, a instrução “Ad resurgendum cum Christo” na qual especifica novas regras de conservação das cinzas nos casos de cremação. O documento também traz orientações a respeito da sepultura dos defuntos.

Por décadas, o Vaticano estabeleceu que fosse conservado o costume de enterrar os cadáveres dos fiéis, acrescentando, que a cremação não é “em si mesma contrária à religião cristã”. A Santa Sé dizia ainda, que não deviam ser negados os sacramentos e as exéquias àqueles que pediram para ser cremados.

Como a prática da cremação difundiu-se bastante em muitas nações, a nova instrução aprovada pelo papa Francisco recomenda insistentemente que os corpos dos defuntos continuem sendo sepultados nos cemitérios ou em lugares sagrados. Todavia, afirma que a cremação não é proibida, “a não ser que tenha sido proferida por razões contrárias à doutrina cristã”.

Por norma, o documento da Congregação considera que quaisquer que sejam as motivações que levaram à escolha da cremação do cadáver, as cinzas dos defuntos devem ser conversadas, num lugar sagrado, isto é, no cemitério ou, se for o caso, numa igreja ou num lugar especialmente dedicado a esse fim determinado pela autoridade eclesiástica.

Para a Santa Sé, a conservação das cinzas num lugar sagrado pode contribuir para que não se corra o risco de afastar os defuntos da oração e da recordação dos parentes e da comunidade cristã, e afirma ainda, que somente em casos de circunstâncias gravosas e excepcionais, dependendo das condições culturais de caráter local poderá ser autorizado a conservação das cinzas em casa.

A instrução também não permite a dispersão das cinzas no ar, na terra ou na água. Exclui-se, ainda a possibilidade da conservação das cinzas cremadas sob a forma de joias ou em outros objetos. Por último, o documento afirma que no caso do defunto ter claramente manifestado o desejo de cremação e a dispersão das cinzas na natureza por razões contrárias à fé cristã, devem ser negadas às exéquias, segundo o direito.

“Hoje, cada vez mais existe esse desejo das pessoas de serem cremadas. Algumas chegam a manifestar essa vontade por escrito. É claro que a Igreja teria que se manifestar teologicamente, o que o fez com essa instrução”, afirmou o secretário-geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Leonardo Steiner em entrevista ao Globo.

(Fonte: CNBB)

Notícias recomendadas

Comentários

Publicidade

MAIS LIDAS

Dom Valentim Lazzari

Nasceu em Cologno al Serio (Bergamo-Itália) aos 03 de janeiro de 1925. Fez sua profissão religiosa na província capuchinha de Milão aos 14 de...

Nota de esclarecimento da Diocese de Grajaú sobre propriedade do Hospital São Francisco de Assis

Respondendo às informações distorcidas divulgadas pelos meios de comunicação em Grajaú, em relação ao Hospital São Francisco, a Diocese ESCLARECE que o Hospital com...

Santo Antônio: um legado que vai além de ser o “santo casamenteiro” da devoção popular

Santo Antônio: um legado que vai além de ser o “santo casamenteiro” da devoção popular Um dos santos mais conhecidos na devoção popular brasileira, que...
X